Ocorreu um erro neste dispositivo

Translate

Follow by Email

19 dezembro, 2006

"No sonho, a liberdade..."


DACOSTA, Luísa (2005). O Elefante cor-de-rosa. Colec. “Obras completas de Luísa Dacosta”. Ilustrações de Armando Alves. Porto: Edições ASA
ISBN: 972-41-4184-5

Num planeta diferente, “fora da nossa galáxia, num mundo pequenino, forjado no bafo de outras estrelas e aquecido por outro sol”, viviam elefantes cor-de-rosa, num mundo perfeito. Este mundo vai-se desmoronando, ficando um pequeno elefante cor-de-rosa sozinho. Com a ajuda de um pequeno cometa, vai aterrar na imaginação de uma criança, onde nunca mais sentirá solidão.
Esta é a obra reeditada de 1974, de Luísa Dacosta e com ilustrações de Armando Alves. Responsável por esta magnífica obra, Luísa Dacosta nasceu em Vila Real, no ano de 1927, tendo-se formado na Faculdade de Letras de Lisboa, em Histórico-Filosóficas, dedicando-se às obras infantis a partir de 1972. Recebeu dois prémios (1992 e 2002) e é escritora de obras para a infância bastante conceituadas, como História com Recadinho, sendo que O Elefante cor-de-rosa faz parte do Plano Nacional de Leitura, para alunos do 4º Ano. No entanto, este livro é recomendado para crianças a partir dos 6 anos.
Armando Alves nasceu em Estremoz, em 1935, formou-se na ESBAP com vinte valores e aqui foi professor entre 1962 e 1973. Foi o ilustrador de livros infantis como A Menina do Mar.
Neste álbum, que proporciona uma aventura hermenêutica (não fosse a personagem principal um elefante cor-de-rosa e que flutua), são focados temas eternos como a amizade, a entreajuda, o companheirismo e a solidão. Desde logo nos chama a atenção a cor deste pequeno elefante, pois é a cor dos sonhos das crianças, que coincide com o mundo em que ambos vivem: um mundo cheio de alegria e de imaginação; um mundo perfeito. Este mundo vai ser abalado, e o elefantezinho iria ficar numa solidão e tristeza profundas, não fosse um pequeno cometa passar por lá. De passagem ao nosso planeta, o “berlinde azul”, o nosso elefante vai aterrar na imaginação de uma criança, onde não será julgado pela sua cor nem nunca mais se sentirá só. “No sonho, a liberdade…”.
Esta edição, do meu ponto de vista, poderia ser mais rica a nível do texto icónico, uma vez que este nem sempre acompanha nem expande o texto verbal. Ao longo de todo o livro, só encontramos ilustrações de um elefante cor-de-rosa que parece caminhar para fora da história e duas outras ilustrações que ocupam uma página cada, mas que não parecem acrescentar muito ao texto verbal, apenas o acompanham.
A escolha desta obra deveu-se ao facto de eu ter gostado bastante da forma como Luísa Dacosta expôs certos temas, de forma tão subtil. É um livro que recomendo, não só às crianças, pois tem uma grande capacidade de despertar o imaginário, com uso criativo e lúdico, contribuindo para desenvolver a competência literária do receptor.

Sem comentários: