Ocorreu um erro neste dispositivo

Translate

Follow by Email

28 dezembro, 2006

Para Além do Medo

O carocho-pirilampo que tinha medo de voar
Conto de Mafalda Veiga, Ilustrações de Joana Quental
2005, 1ª edição
Colecção: O tempo dos mais novos
ISBN: 989-552-175-8


O carocho-pirilampo que tinha medo de voar é o título da estreia de Mafalda Veiga na literatura. A publicação deste seu primeiro livro está a cargo da Quasi Edições que, em parceria com o Jornal de Notícias, lançou uma fabulosa colecção intitulada Tempo dos Mais Novos. A ilustração foi elaborada com toda a graça que caracteriza Joana Quental e vem realçar a sua capacidade para preencher os espaços em branco do conto com imagens.
Este conto tem como principal personagem um menino chamado João que, com a sua imaginação e sentido de oportunidade, cria um mundo mágico dentro do seu próprio mundo para fugir ao escuro do seu quarto, ou seja, sempre que fechava os olhos tinha acesso a um novo mundo imaginário, a uma nova dimensão do escuro, onde dá vida à sua personagem fictícia com o seu amigo pirilampo, ambos carregados de belas caracterizações. O objectivo do menino ficou claro quando compreendeu que o seu sonho podia ser controlado por ele, ajudando dessa forma os seus amigos imaginários a superarem o medo e, sem dar conta, acaba por vencer no seu próprio mundo, acordando feliz e capaz.
Ao folhear a mágica história é possível compreender que existe uma intenção de captar a atenção da criança através do imaginário e maravilhoso mundo não inteligível dos sonhos, com uma elevada carga afectiva que despoleta emoções de apetência e capacidade para entender e singrar num mundo que, de certa forma, foi feito para os adultos. O medo do escuro, característico das crianças, é moldado e refeito para que estes, em vez de se encolherem e se sentirem pequenos, consigam construir outra realidade, mesmo que esta seja feita dentro dos seus próprios mundos, nas suas cabeças, tal como acontece com Peter Pan na Terra do Nunca.
Ler o conto faz-nos querer sonhar, talvez a verdadeira intenção seja a de acabar com o mito dos monstros e pesadelos que, de certa forma, são imagens retorcidas do nosso subconsciente sobre o mundo real, obtendo, assim, capacidade de controlo sobre eles e por consequência, conseguindo superar os problemas.

1 comentário:

Leitor UM disse...

Gostei da leitura que apresenta. Julgo que poderá constituir um texto interessante para trabalhar em contexto pedagógico determinadas temáticas.
Tenha um Bom Ano repleto de interessantes e cativantes leituras!