Ocorreu um erro neste dispositivo

Translate

Follow by Email

04 janeiro, 2007

Os meus, os teus, os nossos amigos…




Torrado, A. (2002) Os meus amigos. Lisboa: Asa Editores
António Torrado – Texto
Júlio Vanzeler - Ilustração






A obra Os meus amigos de António Torrado é composta por quatro breves e interessantes histórias acerca de alguns dos seus amigos. Estas são capazes de fazer o leitor viajar para mundos nunca antes conhecidos e viver com o narrador as histórias contadas e vividas pelos seus amigos.
A fantasia, a imaginação e a criatividade do autor fazem-nos sonhar e esboçar um sorriso, ao mesmo tempo que a nossa mente imagina e cria todo o cenário criado pelas palavras lidas.
A omnipresença do narrador e o facto de interpelar, várias vezes, o leitor faz com que este sinta que o autor está ao seu lado a contar-lhe directamente as histórias.
O amigo patinador – personagem da primeira história – é uma personagem que adora andar de patins, uma vez que, na sua terra, todos os habitantes se deslocam em patins. O mais difícil para ele é não andar de patins, coisa que se transferirmos para a nossa realidade está ao contrário. Assim, ler esta história é abrir as portas ao fantástico e deixar a magia actuar, entrar num mundo, num espaço diferente, no qual exploramos o maravilhoso.
Na segunda história conhecemos o amigo pescador do narrador. Tal e qual como acontece na história anterior não somos capazes de não deixar escapar um sorriso ou de soltar uma leve gargalhada, já prevista pelo autor que nos comenta: “As pessoas crescidas, que isto lêem, riem. Ah! Ah! Ah! Quer dizer que estão a achar graça à história”. E com estes comentários mais graça achamos à história e mais vontade temos de devorar este belo livro.
A minha prima Elisa – terceira história do livro – é uma personagem encantadora que nos cativa por se rir quando não é para rir e por ficar envergonhada por se ter rido. A nossa prima Elisa toca-nos por ser uma personagem afectuosa e humana, capaz de resolver o conflito presente na história com um acto de generosidade, compaixão e amor.
O livro termina com a quarta história acerca do amigo Almiro e do seu elefante. Esta é uma deliciosa história que nos deixa apaixonados pela capacidade da personagem gostar de um elefante que, apesar de ser seu, porque o tio Roberto lho ofereceu, nunca o teve.
Lidas as quatro histórias, conhecidos os amigos do narrador e criados laços afectivos com estes, sentimos que foi uma obra de leitura fugaz que nos deixa um sentimento de saudade e vontade de viver novas aventuras.
Alexandra Sofia Costa & Maria João Teles

Sem comentários: