Ocorreu um erro neste dispositivo

Translate

Follow by Email

19 janeiro, 2007

Um mundo feito de várias cores

Como se faz cor-de-laranja

Torrado, António (2002): Como se faz cor-de-laranja. Porto: Asa.
Ilustração: João Machado. ISBN: 972-41-0253-X


António Torrado
nasceu em Lisboa em 1939 e é poeta, ficcionista, dramaturgo, autor de obras de pedagogia e de investigação pediográfica e é por excelência um contador de histórias, estando muitos dos seus livros e contos traduzidos em várias línguas.
A sua bibliografia regista actualmente mais de 120 títulos, onde sobressai a produção literária para crianças, contemplada em 1988, com o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças.
João Machado nasceu em Coimbra em 1942 e é um dos nossos grandes ilustradores. Ao longo dos anos, João Machado tem sido premiado com prémios tais como, primeiro Prémio Nacional Gulbenkian para a melhor Ilustração de Livros para a Infância; primeiro Prémio Grafiporto e, entre outros, o primeiro Prémio Nacional de Design.

A história, Como se faz cor-de laranja, gira em torno de um menino anónimo, que faz um longo e desmotivante percurso para descobrir algo tão simples, e que se revela, ao mesmo tempo, tão “complexo” ao olhar dos adultos. No entanto, apesar dos obstáculos que enfrenta, mostra-se persistente e corajoso, seguindo em frente. Quando, finalmente, é vencido pelo cansaço é presenteado com uma explicação muito especial da cor, que ironicamente lhe é dada por uma pessoa que, apesar de não ver e de ser aquela que, a princípio, seria a mais imprevisível, consegue levar o menino, através de uma viagem pelo seu imaginário, a descobrir a resposta para aquilo que motivou a sua procura.
Assim sendo, a viagem do menino transporta-nos para a concepção de dois mundos distintos, o mundo percepcionado pelas crianças, à luz da simplicidade, da inocência e da transparência; e o mundo dos adultos, corrompido pela desesperança e pelas complexidades características do materialismo em que está envolto.
Uma história que, à partida, se mostra simples, revela, à medida que é feita a sua leitura, uma riqueza inesperada que se traduziu numa viagem que nos leva à compreensão de que esse “olhar ingénuo”, essa beleza pura de encarar o mundo, que nos é transmitida pelo menino, se vai, gradualmente, perdendo à medida que o ser humano cresce e entra num contacto mais objectivo e prático com o mundo (o carácter frenético do dia-a-dia, a rotina).
Na obra, as personagens que lhe dão vida, têm uma importância crucial na descodificação do que ela nos transmite, já que são elas que estabelecem a contraposição entre os dois mundos referidos.
À medida que vamos lendo a obra, deparámo-nos com várias estratégias que aproximam o leitor do livro, evidenciando-se o carácter fortemente apelativo das ilustrações e descrições, que fazem o leitor imaginar o que está a ler: “À volta do submarino havia algas azuis, verdes, roxas e vermelhas”. Através da maneira especial como o cego explica como se faz cor-de-laranja, o autor, consegue colocar o leitor no papel do menino, conduzindo-o também a uma viagem imaginária em busca da cor, devido à carga fortemente emotiva que o autor lhes imprime.
Deste modo, o leitor é seduzido pelas descrições (e pela carga emotiva que as caracterizam), que o levam a considerar especial aquilo que parece tão banal e simplista.
Susana Boaventura e Sílvia Salgueiro

Sem comentários: