Ocorreu um erro neste dispositivo

Translate

Follow by Email

22 janeiro, 2008

Mestre Da Vinci



Autor: José Jorge Letria
Ilustrador: Sarah Pirson
Ano: 2006
Editora: Ambar



A construção deste texto literário socorre-se da poesia, género detentor das possibilidades de abertura ao mundo do (im)possível, para delinear biograficamente o essencial sobre a personagem Leonardo, menino cuja força motriz subjacente à sua predestinada ascensão a génio é o “milagre do assombro e da luz” (Letria, 2006:6) observável em tudo o que o Futuro lhe permitiu confirmar. E enquanto jovem, ainda, possui um conjunto de particularidades que lhe conferem marcas de estranheza em torno de uma sabedoria inata que, logo à partida, lhe faculta a possibilidade de ser “mestre de quem o quer ensinar” (Letria, 2006:6).
No decurso do poema verifica-se que as potencialidades de que Leonardo é portador exigem o cumprimento de uma demanda existencial num “mundo disputado”, suscitador de inveja provocada pela submissão ao “escrutínio del juicio público” (Gil Calvo, 1996:47), no qual se distingue por estar na posse dessas competências originais que o fazem evidenciar-se “sem esforço” (Letria, 2006:14) entre os seus. Por isso, privilegia a lentidão temporal como condição necessária para proceder ao constructo da obra perfeita. Cada tela que pinta “é um cântico, é um hino/composto com as notas/ da sinfonia do destino” (Letria, 2006:13).
De facto, toda a poesia enuncia o cumprimento de um percurso delineado com antecipação, inscrevendo esta personagem no universo dos mundos alternativos ao mundo factual e terreno. Só nesses universos é possível justificar a excepcionalidade deste homem “feito mito ainda em vida” (Letria, 2006:39), podendo-se afirmar que Leonardo personaliza o designado “fantástico transcendental” (Durand, 1993:435-491), pois a sua existência é uma trajectória plena de substrato da vida mental que, partindo de si, dos seus inventos na mecânica, na ciência e na pintura, estende-se ao nível cultural, delineado por uma verticalidade singular. Por isso, as damas e as madonas que pinta com a sua talentosa habilidade hasteiam as marcas do enigma, do mistério e do secreto poder de manipular a cor em linguagem.
Esta biografia inicia-se com a auréola da “estrela” (Letria, 2006:6) anunciadora de um ser único, que oferece à humanidade uma herança de “luz em testamento” (Letria, 2006:45) e encerra, vinculando-se a uma encenação mítica da morte. Desta forma, o sujeito poético sugere ao leitor/receptor a reconstrução modelizante da sua própria existência em torno das múltiplas dimensões simbólicas em que a biografia de Leonardo Da Vinci é também o pretexto para a reflexão pretendida.


Teresa Macedo

Bibliografia:
Durand, Gilbert (1993 [11ªed]). Les Structures Anthropologiques de l´Imaginaire. Paris. Dunod.
Gil Calvo, Enrique (1996). «Parque Público, Jardin Fictício» in Mundos de Ficcion, I. (Actas del VI Congresso Internacional de la Asociación Española de Semiótica, Investigaciones Semióticas VI).Murcia. Universidad de Murcia.

2 comentários:

lavozdelaemigracion disse...

JJ Letria autor de uns 200 libros con mais de 40 premios desarrola um a lavoura encomiable en favor das crianças, letria quita pedras do caminho, fala de eses sonhos infantiles y os traduce en L-Graça,Mozart, o Zeca, Salgueiro Maia,Julio Resende ou Luis de Camoes, as crianzas a traves do mundo imaxinario do Letri poden sonhar con tocar o horizonte. Teresa en un sentido critico basado na analises, entra dentro das palavras y as desmenuza, so como ela save facelo,ven a memoria a enciclica de Xoan XXIII Mater et Magistra, como reconocemento a todos-as mestres portugueses po la lavoura realizada y a realizar, quen educa um a crianza esta educando o futuro do pais, Obrigado

Teresa disse...

As grandes vidas relatadas ficcionalmente são as grandes "vozes" de modelação do mundo, que ajudam os Mestres no labor do seu quotidiano. Agradeço ao leitor a generosidade do comentário. E agradeço a todos quantos escrevem para crianças o riquíssimo "solo" que nos oferecem para que possamos acreditar que as sementes de que se fazem os livros hão-de dar substância capaz de fazer o mundo melhor.