Ocorreu um erro neste dispositivo

Translate

Follow by Email

23 junho, 2007

África no Feminino. As Mulheres Portuguesas e a Guerra Colonial


Margarida Calafate Ribeiro


África no Feminino. As Mulheres Portuguesas e a Guerra Colonial


Sessão pública de apresentação da obra pela Professora Laura Padilha.

Local: dia 26 de Junho, 18.30 horas, na Livraria Barata, Avenida de Roma, n.º 11-A, em Lisboa.


Margarida Calafate Ribeiro é investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Doutorada em Literatura Portuguesa pelo King's College, Universidade de Londres, foi leitora de português em França e no Reino Unido e professora convidada na Holanda e no Brasil. Para além de vários artigos publicados em revistas da especialidade e em colectâneas de ensaios, é autora de Uma História de Regressos - Império, Guerra Colonial e Pós-Colonialismo (Edições Afrontamento, 2004) e co-organizadora de Fantasmas e Fantasias Imperiais no Imaginário Português Contemporâneo (Campo das Letras, 2003) e de A Primavera Toda Para Ti - Homenagem a Helder Macedo/ A Tribute to Helder Macedo (Editorial Presença, 2004).


A Obra


África no Feminino aborda a vivência e a memória da Guerra Colonial (1961-1974) a partir da perspectiva das mulheres portuguesas que acompanharam os seus maridos nas três frentes de guerra. Nasceu do meu espanto sobre o registo apenas ficcional do rosto destas mulheres, e da generosidade das mulheres que entrevistei quando um dia lhes bati à porta e lhes disse: «Sei que esteve em África. Quer contar?». Através do estudo inicial sobre a presença destas mulheres em África e sobretudo dos testemunhos obtidos, o livro revela outros olhares sobre a guerra, outras razões da guerra, outras vivências do pós-guerra e, naturalmente, outras memórias. Nas suas diferenças e no seu conjunto, os testemunhos recolhidos colocam as mulheres como sujeitos históricos desta guerra e veiculam uma ética de reconhecimento e de responsabilidade solidária capaz de contribuir para gerar uma memória cultural colectiva da Guerra Colonial.


Sem comentários: