Ocorreu um erro neste dispositivo

Translate

Follow by Email

08 janeiro, 2007

O elefante cor-de-rosa



DACOSTA, Luísa (2005). O Elefante cor-de-rosa. Colecção “Obras completas de Luísa Dacosta”. Ilustrações de Armando Alves. Porto: Edições ASA
ISBN: 972-41-4184-5



Esta é a obra reeditada de um pequeno conto de Luísa Dacosta – porventura um dos mais emblemáticos da sua obra no domínio da literatura infantil –, que conserva as ilustrações originais da primeira edição (de 1974), da autoria de Armando Alves.
Luísa Dacosta nasceu em 1927, em Vila Real de Trás-os-Montes. Formou-se na Faculdade de Letras de Lisboa, em Histórico-Filosóficas. Foi professora do ciclo preparatório e alguma coisa deve também aos alunos: o ter ficado do lado do sonho. É isto que a motiva a escrever para crianças.
Armando Alves nasceu em Estremoz, em 1935, formou-se na ESBAP com vinte valores e aqui foi professor entre 1962 e 1973.
O Elefante cor-de-rosa faz parte do Plano Nacional de Leitura, para alunos do 4º Ano. No entanto, este livro é recomendado para crianças a partir dos 6 anos. Neste livro conhecemos um maravilhoso e gracioso elefante, da cor dos sonhos das crianças, que habita junto com outros elefantes, num mundo perfeito «fora da nossa galáxia, mundo pequenino, forjado no bafo de outras estrelas e aquecido por outro sol» (Dacosta, 1996: s/p). Este mundo vai-se desmoronando, ficando um pequeno elefante cor-de-rosa «só no sozinho» (idem, ibidem: s/p). Com a ajuda de um pequeno cometa, vai aterrar na imaginação de uma criança, onde nunca mais sentirá solidão.
Assim, neste livro, num primeiro momento, verifica-se a existência do elefante cor-de-rosa e do “mundo amável” em que ele vivia, juntamente com outros elefantes cor-de-rosa. Era um mundo de paz e de alegria, onde não havia sofrimento. Confrontado, num segundo momento, com a morte inesperada deste seu mundo, o elefante vê-se obrigado a partir e acaba por ir viver para a imaginação de uma criança.
Uma história de sonho e fantasia, que aborda, porém, ainda que de forma subtil, valores tão importantes como a amizade, a solidariedade e a entreajuda. Aparentemente simples, na forma e no conteúdo, este pequeno conto revela-se, afinal, fortemente cativante, seduzindo tanto pela riqueza das emoções que desperta como dos simbolismos que encerra.

Ângela Gonçalves e Cátia Prazeres

Sem comentários: