Ocorreu um erro neste dispositivo

Translate

Follow by Email

16 janeiro, 2007

A volta ao Mundo num Dinossauro...

BACELAR, M. (1990). O Dinossauro. Porto: Edições Afrontamento.
Autor/ Ilustrador: Manuela Bacelar
ISBN: 972-36-0248-2



Das mãos de Manuela Bacelar “nasceu”, em 1990, O Dinossauro, uma obra incluída no Plano Nacional de Leitura, escrita e ilustrada por esta autora e que retrata a história humorada de “um monte com árvores e algumas casas” no qual “moram também pessoas e animais” que é, afinal, um dinossauro adormecido que, ao acordar, os transporta numa viagem inigualável ao mundo.
Autora de mais de 50 obras, como O Meu Avô (1990) e a colecção de álbuns «Tobias», da Porto Editora, publicadas não só em Portugal como também, algumas, no estrangeiro (Dinamarca, França, Japão, Marrocos, Líbano), Manuela Bacelar nasceu em Coimbra, em 1943 e fez os seus estudos secundários na Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis, no Porto, frequentando também a Escola Superior de Artes Aplicadas, em Praga, durante sete anos (1963-1970) sob o estatuto de bolseira, tendo terminado o curso de ilustração. Residente no Porto desde 1971, tem-se dedicado à ilustração, à escrita e à pintura, contando já com muitas exposições individuais e colectivas, assim como grandes distinções, das quais são exemplo o Prémio Maçã de Ouro da Bienal de Bratislava (1989), o Prémio Gulbenkian da Ilustração (1990), a nomeação para o Prémio Octogónes (França, 1992), o facto de se encontrar na lista de honra do Prémio Pier Paolo Verggero em Pádua (Itália, 1993), a obtenção do Prémio Octogónes por Mon Grand Pire, um dos melhores livros estrangeiros publicados em França, entre outras.
Este é um álbum narrativo, claramente destinado aos mais pequenos, cuja componente icónica apresenta um papel determinante, dado que esta vive por si só, daí que o facto de a extensão desta componente relativamente à parte textual seja intencional para prender o leitor à história e à viagem do dinossauro, viagem esta que permitiu ver “gente igual, gente diferente”, “casas de todos os tamanhos” e que termina no mesmo lugar em que teve início, sendo que “tudo ficou como antes”, tal como nos sonhos, uma vez que após o despertar, não resta nenhuma recordação nem prova concreta a não ser a memória dessa viagem. Impossível é, ainda, ficar indiferente ao desfecho inesperado, perante o qual é inevitável sorrir ou, na versão actual, emitir um sonoro “daaah”!.

Recensão realizada por Mª La-Salete Teixeira e Virginie Gomes

Sem comentários: